Frases lapidares

“Ter problemas na vida é inevitável, ser derrotado por eles é opcional.”    (Roger Crawford)

 

“Para ser feliz não é necessário ter aquilo que nos falta, e sim fazer uso adequado daquilo que temos.”   Clarice Lispector) 

 

Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente.”  (Clarice Lispector)

 

“Tenho que ter paciência para não me perder dentro de mim: vivo me perdendo de vista. Preciso de paciência porque eu sou vários caminhos, inclusive o fatal beco sem saída.”  (Clarice Lispector)

 

“Mude… Mas comece devagar, porque a  direção é mais importante que a velocidade.”  (Edson Marques)

 

“São os pequenos brilhos que encantam,  os holofotes cegam.”  (Clarice Lispector)

 

“Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.”  (Clarice Lispector)

 

“Sorrisos e abraços espontâneos me emocionam.  Palavras até me conquistam temporariamente. Mas atitudes me ganham para sempre”.   (Clarice Lispector)

 

” Um dos piores erros da humanidade é querer, mas não falar. Tentar, mas não lutar. Por isso que, enquanto os maus agem, os bons se calam.”  ( Bob MarIey )

 

“É melhor atirar-se à luta em busca de dias melhores, mesmo correndo o risco de perder tudo, do que permanecer estático, como os pobres de espírito, que não lutam, mas também não vencem, que não conhecem a dor da derrota, nem a glória de ressurgir dos escombros. Esses pobres de espírito, ao final de sua jornada na Terra não agradecem a Deus por terem vivido, mas desculpam-se perante Ele, por terem apenas passado pela vida.”  ( Bob MarIey )

 

“Eu continuo sendo apenas um palhaço, o que já me coloca num nível bem mais alto do que o de qualquer político.”  (Charles Chaplin)

Anúncios

Como consertar o mundo

como consertar o mundo                   

 

                      Há alguns anos, contaram-me uma pequena estória que achei muito interessante, razão pela qual tentarei reproduzi-la aqui.

                      Um homem de negócios, por sinal muito atarefado, costumava levar para casa as pendências do escritório e ficava até altas horas envolto em seus problemas empresariais, não lhe sendo possível dispensar à esposa e ao filho de 5 anos a atenção devida. Consciente deste fato, procurava minimizar tão terrível comportamento reafirmando para si que agia daquela forma para garantir à família que amava um futuro confortável, livre da carência material que ele mesmo sentira em boa parte de sua vida, até obter o sucesso empresarial que gozava então.

                         Em mais uma noite de trabalho em casa, a mulher desiludida vai dormir, e o pimpolho, desta feita insone, fica brincando pela casa. Vez ou outra o filho ia até o pai e pedia que brincasse com ele. O pai respondia que não podia, pois tinha que terminar algumas planilhas, orçamentos e pedidos. O pequeno saía triste para brincar sozinho, até que se cansava e voltava para implorar a atenção do pai.

                          Como as intervenções do filho estavam ficando cada vez mais frequentes, o pai explicou-lhe que o seu trabalho era muito importante, mas que dentro de uma hora iria com certeza terminar e então poderia brincar com o menino.

                           Passados pouco mais de vinte minutos, o garoto volta e pergunta para o pai se já havia passado uma hora. Visivelmente irritado, o empresário procura uma alternativa para desvencilhar-se da insistência do filho, e tem a brilhante ideia de providenciar um ‘quebra-cabeça’ para entreter o menino. Pega uma tesoura e um mapa-mundi velho e o recorta em centenas de pedaços pequenos. Entrega para o filho  os pedaços recortados do mapa-mundi e manda o pequeno remontar a figura. O garoto sai feliz da vida para a sala e o pai, aliviado, tem certeza de que poderá terminar o serviço tranquilamente, pois até mesmo um adulto não conseguiria montar o ‘quebra-cabeça’ em menos de duas horas.

                             Para sua surpresa, contudo, dez minutos depois eis que o filho está  de volta, com largo sorriso no rosto, dizendo que tinha terminado a tarefa. Sem acreditar, o pai vai com o filho até a sala, e vê no chão o mapa-mundi montado perfeitamente, sem nenhuma peça faltando. Sem conseguir acreditar no que seus olhos viam, pergunta ao menino como ele conseguira tal proeza, ao que ele responde prontamente:

                             – É que enquanto o senhor recortava o papel, vi que do outro lado havia a figura de um homem. Então montei o ‘quebra-cabeça’ do lado do homem. Assim, consertando o homem, acabei consertando o mundo!

[tweetmeme style=”compact” only_single=”false”]

Panteísmo e panenteísmo: distinção necessária

Leonardo Boff

Uma visão cosmológica radical e coerente afirma que o sujeito último de tudo o que ocorre é o próprio universo. É ele que faz emergir os seres, as complexidades, a biodiversidade, a consciência e os conteúdos desta consciência pois somos parte dele. Assim, antes de estar em nossa cabeça como idéia, a realidade de Deus estava no próprio universo. Porque estava lá, pôde irromper em nós. A partir desta compreensão se entende a imanência de Deus no universo. Deus vem misturado com todos os processos, sem perder-se dentro deles.  Antes, orienta a seta do tempo para a emergência de ordens cada vez mais complexas, dinâmicas (portanto, que se distanciam do equilíbrio para buscar novas adaptações) e carregadas de propósito. Deus comparece, na linguagem das tradições transculturais, como o Espírito criador e ordenador de tudo o que existe. Ela vem misturado com as coisas. Participa de seus desdobramentos, sofre com as…

Ver o post original 528 mais palavras

O que acontece com nosso mundo?

         Sou uma pessoa  que ainda se permite indignar face muitas coisas que acontecem em nossa sociedade humana.

         Parece que as atrocidades são acontecimentos cíclicos, e sempre que nos deparamos com  o cometimento de alguma barbaridade, é bom precaver-se, pois similaridades virão em onda, com certeza.

         Antes, mães que tentavam e muitas vezes conseguiam matar seus filhos nascituros. Não tinha um só dia em que jornais não noticiavam acontecimentos do gênero.

          Depois, as brigas com mortes entre torcedores de futebol (infelizmente aconteceu de novo).

           Jovens matando pais e avós por causa de dinheiro e/ou drogas.

           Execuções por conta do tráfico de drogas.

           Recentemente, uma avalanche de assassinatos cruéis de mendigos moradores de rua.

            Racismo, preconceitos diversos… Não sei o que tem acontecido com nosso mundo. O por quê das más ações serem tão facilmente disseminadas.

             Alguns culpam a imprensa por divulgar de maneira enfática os crimes e a consequente impunidade. Segundo estes, isto alimenta a roda da criminalidade. Bandidos  dão entrevistas como celebridades, não escondem mais o rosto, com a certeza de que não serão devidamente punidos. Tal posicionamento  pode até ter um pouco (ou muito) de verdade, mas, bem ou mal, a imprensa está cumprindo o seu papel de informar. Cometem exageros,  a ponto de ocasionalmente (ou quase sempre) mais desinformar que realmente informar, mas devemos ter esperanças de que ela própria evolua e torne-se efetivamente um poderoso instrumento de cidadania.

              Para aqueles que ainda se indignam diante do atual estado de coisas, estou postando mais um arquivo PowerPoint, que pode ser baixado pelo seguinte link:

A Vida Retribui E Transfere13

[tweetmeme style=”compact” only_single=”false”]

O Mal existe?

          Estou postando mais um arquivo PowerPoint sensacional. Favor fazer o download clicando no link ao lado. E não se  esqueçam de comentar.http://www.mediafire.com/?e2cl347cnnfeuun

40

[tweetmeme style=”compact” only_single=”false”]