Comentários acerca do julgado do STJ que absolveu acusado de estupro de menores (publicados no site JusBrasil)

Elisa 03 de Abril de 2012

Para mim essa decisão do STJ nada mais fez que autorizar a pedofilia, ou melhor, autorizar a pedofilia mas apenas em crianças que vivem à margem da sociedade! Ficam tuteladas apenas as crianças que tiveram a sorte de nascer em famílias que podem lhe dar o amparo e sustento minimamente necessários, as demais ficam à mercê de toda a sorte de doentes que, em troca de alguns tostões, poderão fazer com elas o que bem entenderem.

 

 

 

Robson Santos 3 de Abril de 2012 – 14:38:23

Perfeita a sua colocação. As vezes penso que há um plano engendrado para acabar com o que nos resta de repositório moral. A prostituição infantil é um fato lamentável, que geralmente atinge as famílias menos favorecidas e desestruturadas, e é uma chaga na nossa sociedade que precisa do esforço de todos, notadamente da parcela do povo que tem um padrão melhor de vida e consequente maior grau de instrução, para vê-la extirpada de vez. É uma vergonha não apenas para a criança que se prostitui e sua família, mas para todos nós.

É com um nó na garganta que todas as noites dou um beijo de boa noite em minha filha adolescente, ao lembrar da situação de milhões de crianças espalhadas pelo mundo que não tem o mesmo amparo, proteção e carinho. Infelizmente, esta decisão do STJ apenas deixa as crianças desfavorecidas largadas à própria sorte. Lamentável.

 

 

 

MARYA D…. 03 de Abril de 2012

sinto-me envergonhada de ser advogada. A Justiça Brasileira, vai de mal a pior. Só aqui nesse País, que se inocenta um facínora. O Povo tem que ir as ruas para apoiar o “Conselho Nacional de Justiça” e demonstrar a indignação do Brasil e dizer “basta” de tanta vergonha e dizer não a imoralidade.

 

 

 

 

Robson Santos 3 de Abril de 2012 – 14:20:56

A minha vergonha é maior, é a de ser brasileiro. Como pode tamanha inversão ainda encontrar defensores? Se não bastasse a situação por si só sofredora de estar na condição de prostituta, triste ofício com seus traumas, preconceitos e perigos, ainda pode ser estuprada e o estuprador acabará recebendo láurea por isso. Com esta decisão estranha, estaria nossos ministros do STJ dizendo que podemos invadir os prostíbulos e estuprar as mulheres que ali trabalham? Quando minha esposa não quiser fazer amor, posso pegá-la a força, uma vez que ela não é virgem e nem ingênua? Que Brasil é este?

 

 

O BOÊMIO… 3 de Abril de 2012 – 19:15:09

Meu amigo Robson..a vida é feita de opções. A prostituição é a profissão mais antiga do mundo e o Brasil é um país continental e cheio de oportunidades.

E tem mais: _ Quem engorda o gado é o olho do dono. Os pais é que devem se preocupar e o Estado auxiliar. Ninguém está aquí defendendo o estupro. É apenas neste caso específico, senão, daquí a pouco o Estado vai ter que prender todos os homens.O problema da prostituição é que todo mundo sabe que ela existe, sabe que manter uma casa de prostituição é contravenção, mas o Estado não toma providência e por que? Porque existe a corrupção e algumas autoridades (delegados), passam de vez em quando para fazer um acerto e outro.

Boêmio é Boêmio.A prostituição é um bem necessário.O homem é um eterno animal. Em uma cidade do interior de Minas um delegado recém-chegado resolveu, com o pedido do sacristão, acabar com os prostíbulos da cidade. Resultado, por ser uma região de garimpo, aumentou o índice de estupro na região. Todo mundo tem seu papel na sociedade, mas quando entra a palavra proibido… aí vira objeto de troca das autoridades corruptas.

 

 

 

Robson Santos 3 de Abril de 2012 – 20:08:09

Sei que muitas mulheres estão na prostituição por opção, mas no presente caso trata-se de adolescentes, mal saídas da infância. Suas famílias, se existem, certamente não têm condições morais e/ou financeiras de cuidar delas e muitas vezes empurram-nas para os pequenos furtos e prostituição. Se as famílias desestruturadas não tem como cuidá-las, cabe ao governo e a sociedade em geral zelar por elas. Manter relação sexual com elas, consensual ou não, é abusar de vulneráveis (pelo menos era, antes do STJ resolver, de forma esdrúxula, dar nova interpretação a Lei). Esta é minha opinião, e respeito a sua, e agradeço pelo bom debate.

 

 

Anúncios

Deixe o seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s